Recanto Alegre necessidades e qualidade de vida para os novos idosos.

Com a expectativa de vida das pessoas no país aumentou muito, onde hoje é cerca de 75 anos o envelhecimento é um fator relativamente novo e mesmo com avanços em todas as esferas e onde as famílias está cada vez mais distantes de seu próprio lar seja a trabalho, estudos, e outros a fazeres do cotidiano a sociedade e o estado não estão preparados para oferecer as condições adequadas para o  bem estar dos idosos, surgindo assim instituições para suprir estas dificuldades. Capacitados e profissionais de saúde para lidar com os problemas decorrentes da terceira idade.

A partir dos 40 anos, a chance de ter um envelhecimento saudável está ligado a hábitos saudáveis. A chegada à terceira idade muda nosso organismo, afetando os 5 sentidos: visão, audição, olfato, paladar e tato. O idoso tem menos imunidade e maior risco de infecção. Características pessoais, questões sociais, dificuldades de higienização e alimentação também influenciam. Para ter um envelhecimento saudável e prevenir doenças em idosos, é preciso manter uma alimentação equilibrada, com frutas, verduras, leite e vitaminas. Exercício físico é importante para aumentar força e massa muscular, evitando quedas e lesões.

Parte dos problemas de saúde dos idosos tem origem genética, outra depende das exposições ambientais que nosso organismo venha a sofrer e uma terceira parte depende do nosso estilo de vida e escolhas. Outro aspecto que garante uma boa qualidade de vida é a integração social do idoso. As relações pessoais que ele conseguiu manter, o trabalho e as condições financeiras estão diretamente ligados ao envelhecimento saudável e à reabilitação da capacidade funcional. Um idoso saudável tem sua autonomia preservada.

Segundo o Ministério da Saúde, a principal causa de morte em idosos são as doenças do aparelho circulatório, como derrame, infarto, hipertensão arterial, diabetes e insuficiência cardíaca. Em seguida são tumores e doenças do aparelho respiratório, como pneumonia, enfisema pulmonar e bronquite crônica. Casos de câncer em idosos são mais comuns em pessoas com mais de 55 anos, pois o organismo está exposto a substâncias nocivas há mais tempo, como fumo, comida gordurosa e industrializada, alta ingestão calórica e obesidade. Os mais comuns tipos de câncer em idosos são os de próstata, mama e pulmão. Grande parte pode ter chance de cura quando tratada precocemente, daí a importância do acompanhamento médico.

Outro problema frequente é a depressão em idosos. A forma como lida com situações pertinentes à idade como aposentadoria, viuvez, perda de amigos e parentes, alterações na dinâmica familiar, mudança de residência e dificuldades funcionais influencia diretamente no bem-estar do idoso. A depressão em idosos pode criar dependência e incapacidade na realização de suas atividades diárias.

Outras doenças comuns em idosos como derrames, pneumonia, infecção urinária, osteoporose, glaucoma, Parkinson e Alzheimer devem ser tratadas desde o início, pois afetam diretamente na qualidade de vida dos idosos. Quando se vive mais, maior a chance do idoso sofrer de uma doença crônica, daí a preocupação para que haja controle e prevenção.

De forma geral, não há grandes segredos em relação ao que deve ser feito para garantir um envelhecimento mais saudável. Imunização, diagnóstico precoce, integração social e mudanças de estilo de vida são, juntamente com os medicamentos, as principais intervenções que os geriatras propõem. Alimentação saudável para idosos, atividades físicas, acompanhamento médico periódico para diagnóstico precoce e tratamento adequado, descanso e lazer apropriados, cultivo de bons pensamentos e relações sociais, além da estimulação da mente.

A discussão sobre novos modelos de moradia para os idosos ainda é tímida no Brasil, mas a tendência é que se torne cada vez mais encorpada com o progressivo envelhecimento da população. Por volta de 2050, haverá 64 milhões de velhos no Brasil, mas, já em 2020, estima-se que o número de idosos que precisarão receber cuidados aumentará entre 30% e 50%. A maioria gostaria de permanecer em sua casa até o fim da vida, e isso tem uma explicação: são poucas as opções de boas instituições de longa permanência, o nome palatável utilizado para casas de repouso ou clinica geriátrica e outros, para suprir as suas expectativas e seus pré-conceitos porem é importante refletir sobre o assunto. Vamos precisar de novos tipos de arranjos, e nem sempre os familiares serão os melhores e mais adequados e capacitados para suprir as necessidades dos idosos.

A longevidade produz diferentes grupos de idosos e cada um tem necessidades específicas, por isso devemos fugir de generalizações e partir para o indivíduo primeiro, vamos pensar no segmento mais jovem desse enorme contingente: as pessoas que estão se aproximando ou já entraram na casa dos 60. Com o orçamento apertado depois da aposentadoria, uma opção é com a proposta de criar um espaço sob medida para esse público. a disposição das moradias é feita para facilitar a proximidade de seus moradores, com áreas de lazer comunitárias, mas garantia de privacidade. Você socializa quando quiser, mas há um sentimento de coletividade e pertencimento – até pelas afinidades profissionais do grupo.

Curtiu esse artigo?

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email

deixe seu comentário